dizendo o que o diabo gosta

quando lhe disse
para melhorar
seu poder
de síntese
não era
para ficar
calada
por tanto
tempo

quando lhe disse
para improvisar
a vida
não era
para fazer
jazz
na
língua
alheia

quando lhe disse
que o céu
era
o
limite
não era
para você
ter me
abandonado
no
umbral
da
sua
ausência

quando lhe disse
que tomaria
cicuta
só queria
sua
atenção

quando lhe disse
adeus

queria
que
você
dissesse
NÃO

2 comentários em “dizendo o que o diabo gosta”

  1. Nada como um verso, após o desprezo do universo. Parece que foste lambido por um limão. Nada para baixo, até apanhares o verso, retira-o da condição líquida e leva-o a passear de comboio. Se aparecer uma versa, deixa-os interagir. Se nascer um versículo, alimenta-o. Não o deixes ler Murakami, é depressivo e isso cola-se. Belisca-te quando leres surpresas. Certifica-te sempre que estás vivo. E nunca te esqueças de respirar. 🙂

    Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s