Teu amor enlatado

Desde o tempo em que era tudo vazio e disforme ficamos procurando o que era inato.

Ao não descobrir nada além e aquém, resolvemos esperar.

Esperar pelo efeito do zolpidem. Pela resposta nunca dada. Pelo reconhecimento do sacrifício. Pelo quase suicídio. Pelas bombas efetivas. Pelo caos. Pelo som do despertador.

Sem expectativas. Sem lição de moral e julgamentos. Cada um espera, no seu tempo, pela oportunidade de esperar algo mais. Como sardinhas enlatadas esperando serem comidas antes do vencimento.

Nada mais é propósito. Muito menos o meu amor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s