entre o córtex e o hipocampo

eu não sei
como isso
te soa
mas
amar
nem é
uma coisa
tão
boa

já te falei
tanta
asneira
louco
e
depois
me fiz
de
rouco

já me apaixonei
por teu
coração
de
concreto
que
só tem
carência
de
afeto

já me encontrei
como
lunático
na
tua
lua
mas
a vida
sempre
me descontinua

anularei
minhas
poesias
esquecerei
de nossas
carícias
despacharei
teus
presentes
e tudo
que trouxer
teu rosto
à
mente

e serei
a mentira
mais
verossímil
que teu
hipocampo
poderá
descartar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s