desconfigurado

quanta sirene nos meus pulsos
e inverdades sobre os fatos
só porque é arroz, feijão
e desespero

e o medo
de sentir
dor
solidão
a lacuna
gigantesca
entre
minha respiração
e a
esperança

ser bom
em
ser
triste
é
perder
o resto
da vivacidade
em refluxos
silêncios
e
desconfortos

e
demora
para
café
combinar
com
felicidade
e
meu
espelho
combinar
com
algo além
de
autopiedade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s