renúncia de mim

o desespero que rodopia
quero sentar e esquecer
quero sentar e ser deus
controlar o ar que entra
independer do ar que sai

pulsão de morte ao amanhecer
pulsão de morte ao entardecer
e eu me sinto indigno
dissimulado
preso
na
armadilha
que eu
preparei
com meus dilemas
com o ímpar
cheio de quinas
e inversões
de prioridades
na agulha
mais
cruel
de se
sentir

e
desesperado
querendo
abraçar
e ser
menos
dor
e ser
menos
o que
foi
ser
menos
eu

3 comentários em “renúncia de mim”

    1. Eu me assustei. Não lembrava de ter escrito hoje. Dirigi até o trabalho atrasado, rivotrílico, ritalinado, um olho aberto e outro sem reação. Acredito que sentei e meu inconsciente escreveu. Eu realmente não lembro. Acho que estive fiel demais à emoção. Tanto que não lembro da razão. Enfim, deve ter muita verdade nisso. Minha verdade. E tua verdade também. E estamos assustados.

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s