remédios, toc e superstições

escrevo pequenas fagulhas de devaneios e imprecisões

é até desonesto com quem quer me mapear

eu não vim aqui para te fazer sentido

o que eu escrevo não é o teu lar

intérpretes fundamentalistas tentam dar rosto ao homem retalhado

e toda conveniência para o desejo atiça o prazer

cobiçam da palavra o significado mais agradável

fomentam meu riso pois sentido não vai ter

minha poesia é só trepidação do meu ego

nem sei ao certo se veneno ou remédio

superstição é escrever em qualquer termo

e me entreter com as suturas deste tédio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s