lacrimosa do parque das frutas

que saudade de você!
há 15 anos não te vejo
e vendo
as ranhuras
do tempo
no seu
sorriso
tenho
a assoberbada
curiosidade
de pactuar
com o
imaginário
acerca
do que
perdemos
quando éramos
jovens

eu bêbado
você lagrimosa
eu afoito
você solitária
eu trovador
você perdida
nós dissonantes

qual seria
o sabor
morfético
do nosso
reencontro?

mas meu interesse
se esvai tão fácil
quanto veio
a realidade
não faz
sombra
ao que
almejo
quando
ilustro
tudo
com
a
paleta
corrompida
do meu
desejo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s