retalhado

quando
me baixa
o temor
da
ausência

busco
a
zona
busco
o
conforto
da
loucura
sazonal

busco
a
lona
busco
ser
impaciente
terminal

andar
com
gente
cafona
andar
com
gente
do
mau

indiferente
ao relento
do delírio
de mais uma
de mais mil
e depois
parar
o trem
acelerado
com
rivotril

e
após
estar
entretido
com o
barulho
que me
parte
em
fragmentos
irreconciliáveis

evitar
a
todo custo
o primeiro
sol
da
manhã
o primeiro
princípio
de razão
que me
traga
ao
remorso
de
ter
que
me despedir
da lua
deleitosa
e descer
em alta
velocidade
do céu

cheio
de feridas
abertas
cheio
de
nadas
retumbantes

me
negando
no espelho
virando
inimigo
mortal
do meu
deus
do meu
diabo
e do
meu
travesseiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s