quando você voltar

ela
pegou a leda
torceu o que tinha
que ser torcido
do jeito
que todo
mochileiro
sabe
desenvolver

e ela disse:
faça-se
a luz!

e
a
luz
foi
feita

ela
engatou
imagens
incoerentes
de seu
inconsciente

ela viu
sentiu
e gozou
memórias de civilizações
extintas
canções distópicas
sem rimas
paixões semióticas
ardentes
possibilidades eufóricas
inconsequentes

e
de súbito
ela teve
medo

sentiu
frio
e
contemplou
o
vazio

ela
se
encolheu
sentindo
ser
peça
sem
quebra-cabeça
sangue
sem artéria
pulsante
ser humano
sem sonho
latente

ela
testemunhou
a mais
devastadora
tristeza

e
assim
como
decisão
equivocada
premeditada
como
escravidão
espiritual
obsessiva
como
aparição
de
fogo-fátuo

ela
procurou
o fio
mais fino
que corta
a vontade
do
mundo
pediu
perdão
a si
e
se
foi

*dedicado a “ela” que nunca mais voltou…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s